Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Astrologia

Mistérios ocultos do Halloween!

Embora seja mais efusivamente comemorado nos Estados Unidos, o dia das bruxas, como é vulgarmente conhecido, remonta ao tempo dos celtas, em terras Irlandesas. Descubra todas as lendas, mistérios e cultos que estão por detrás do Halloween.

No dia 31 de Outubro, todos os anos é normal ver crianças mascaradas com fatos de arrepiar, principalmente na América, a baterem de porta em porta para pedirem doces em troca de evitar um susto maior aos moradores de cada casa. Em Portugal, esta comemoração não é muito usual, no entanto, nos últimos anos tem sido implementada em algumas escolas. E também existem já alguns pequenos diabretes que nos batem à porta e nos gritam: “Um doce ou uma travessura”. Porém, esta história do Halloween é mais antiga do que se possa pensar e não teve origem nas terras do Tio Sam. Há mais de 2500 anos atrás, o povo celta, que habitava na Irlanda, acreditava piamente que no último dia do mês de Outubro, data em que acabava oficialmente o Verão, os espíritos dos mortos saiam das suas campas para procurarem corpos vivos para possuir. Amedrontados com esta possibilidade, as pessoas decoravam as suas casas com objectos assustadores, como caveiras ou ossos enfeitados, na tentativa de afugentarem as almas penadas.


Comemorações pelo mundo

 

A partir dessa altura, começou a comemorar-se esse dia, todos os anos, ao qual se chamou Dia das Bruxas. Na Idade Média, a Igreja, com receio de que esta festa pagã se propagasse pela Europa proibiu os festejos, e a inquisição condenava à fogueira a quem desobedecesse. Decidiu então cristianizar, sob ordens do Papa Gregório III, a celebração, criando o Dia de Todos os Santos (1 de Novembro) e o Dia dos Finados (2 de Novembro), altura em que os católicos recordam todos os entes queridos que já não pertencem ao mundo terreno. É devido a esta carga histórica, envolvendo a Igreja, que na Europa o Dia das Bruxas não tem a mesma expressão do que nos Estados Unidos, que receberam a comemoração em 1840, através de imigrantes irlandeses que chegaram ao país na esperança de uma vida melhor. Os romanos ainda adoptaram algumas destas práticas célticas, mas abandonaram-nas no primeiro século depois de Jesus Cristo. O Brasil, por exemplo, começou há algum tempo a comemorar o Dia das Bruxas, mas algumas pessoas criticam este folclore, acreditando que nada têm a ver a cultura do país. Para minimizar problemas, o governo brasileiro criou em 2005, no mesmo dia, o Dia do Saci.

Em Espanha, tal como em Portugal, o dia de comemoração desta festa é a 1 de Novembro, altura em que as famílias vão aos cemitérios relembrar quem já partiu, limpar as campas e os túmulos dos seus mortos. Na Irlanda, país de origem desta celebração, nas zonas mais rurais acendem-se ainda fogueiras, tal como os seus antepassados faziam, e as crianças, tal como na América, batem à porta dos vizinhos, com vestes assustadores, gritando: “doce ou travessura”. Já no México, o dia mais importante para este povo é o 1º de Novembro, ou Dia dos Anjinhos, altura em que são relembradas todas as crianças que não sobreviveram até ao seu baptismo. No segundo dia deste mês, as pessoas oferecem aos mortos aquilo que eles mais gostavam em vida: comida, bebida, objectos especiais, etc. Mesmo em países budistas, como a Tailândia, a data é comemorada com o festival Phi Ta Khon, um desfile de máscaras sendo realizada no primeiro dia das festas Budistas, que podem ocorrer em Maio, Junho ou Julho.

 


Lendas e mistérios ocultos

Esta festa está tradicionalmente relacionada com a morte, mas originalmente o Halloween não tinha relações com bruxas, abóboras ou gatos pretos, como hoje em dia é tão divulgado. Também o tão conhecido chavão: “Doce ou Travessura”  foi mudando ao longo dos tempo. Reza lenda, que esta última tradição é oriunda de uma tradição europeia do século IX, em que os cristãos, no dia 2 de Novembro,  iam de terra em terra a pedir “soul cakes”, ou seja, bolos pelas almas que já teriam partido. Por cada bolo recebido, as pessoas deviam rezar uma oração por um dos seus parentes mortos. As bruxas surgiram nestas comemorações, porque antigamente acreditava-se que estas se reuniam duas vezes por ano, nas mudanças das estações do ano, 30 de Abril e 31 de Outubro. O dia das Bruxas era no tempo dos celtas mais conhecido como Samhain Mais tarde, acabou por se tornar mais conhecido como Halloween, que significa o fim do Verão e início do novo ano céltico. Acreditam alguns, que este nome, teve origem no nome que vem da palavra Hallowinas – nome que representa todas as guardiãs femininas do saber oculto das terras do norte da Europa. A famosa abóbora tão usada na decoração das casas americanos, neste dia, nasceu também do folclore irlandês. Reza a história que um irlandês chamado Jack foi no dia 31 de Outubro interceptado pelo Diabo, devido ao seu comportamento desviado, e que o queria levar para o Inferno. No entanto, esperto, este homem conseguiu ludibriar o senhor das Trevas por duas vezes. Quando morreu, precisamente um ano mais tarde, Jack quis entrar no Céu, mas não conseguiu, teve então obviamente que tentar a sua sorte no Inferno, mas o Diabo ainda humilhado pelo homem, não permitiu a sua entrada. Jack vagueou então como uma alma penada durante alguns dias, o Diabo com pena do homem ofereceu-lhe uma brasa do Inferno para este encontrar o seu caminho. Brasa essa que foi colocada por Jack dentro de um nabo para que perdurasse acesa por mais tempo. Foram, porém, os americanos que trocaram o nabo pela abóbora, com uma vela lá dentro, de forma a iluminar o caminho de todas as almas penadas que vagueasse pela Terra no dia 31 de Outubro, tal como Jack Lanterna, como ficou conhecido.

Há inegavelmente uma mistura visível entre os costumes instituídos pela Igreja e a festa pagã iniciada pelos celtas irlandeses. É difícil perceber correctamente, onde terminam as lendas e começa a história, comprovada com factos verídicos.

 

 



Símbolos místicos do Halloween actual

 

AbóboraSignifica sabedoria e fertilidade.


VelaSimboliza a luz que deve iluminar os espíritos que procuram o seu caminho.


CaldeirãoNele depositam-se moedas e mensagens para efectuar pedidos especiais aos espíritos.


Moedas São retiradas do caldeirão no final da festa, para mais tarde serem distribuídas pelos mais necessitados.


Vassouraao contrário dos que muitos pensam, a vassoura não é apenas o transporte das bruxas, mas simboliza sim o poder feminino que pode ajudar a limpar a energia negativa que nos rodeia.


As mensagens com pedidosSão mais tarde queimadas para que os pedidos sejam realizados mais rapidamente, já que se elevam ao plano espiritual, através do fundo.


A aranha A teia de cada aranha simboliza os vários caminhos de cada destino.


O MorcegoSimbolizam a clareza de pensamento, pois só conseguindo ver no escuro captam a forças de todas as energias.


O sapo Simboliza o poder da sabedoria feminina.

 

 

 

Lendas e mitos - Ícaro

Esta é uma das mais famosas lendas da mitologia grega, que profundamente analisada transmite uma grande lição aos homens: a ambição de chegar mais longe é legítima, mas há que pensar bem os meios que se utilizam para tentar alcançar os seus propósitos. Ícaro queria voar mais alto, mas não foi cauteloso nem ouviu o conselho dos mais sábios. Esse erro acabou com todos os seus sonhos.

 

A mitologia grega conta esta maravilhosa história que começa com Dédalo, pai de Ícaro. Este homem era um grande inventor. Consigo trabalhava Talo, o seu sobrinho, que um dia, ao passear pela praia deparou-se com a espinha de um peixe, facto que o inspirou para inventar a primeira serra. Dédalo, ficou cheio de inveja da invenção do seu sobrinho e decidiu matá-lo. Atirou-o de um precipício, mas antes destes cair no chão, os deuses interviram transformando-o numa perdiz, evitando dessa forma que Talo morresse.  Ainda assim, Dédalo foi acusado de homicídio e obrigado a abandonar a sua terra natal, com o seu filho, Ícaro. Os dois refugiaram-se em Creta, sob a proteção do rei Minos. Foi Dédalo quem construiu o labirinto que prendeu o Minotauro durante anos. Quando este morreu, Dédalo e o seu filho foram presos no seu próprio labirinto. Na tentativa de fugirem desta ilha, o famoso inventor concebeu as primeiras asas artificiais - umas para si, outras para Ícaro - que permitiam voar, feitas de cera de abelha e penas de gaivota. Essa seria a única forma de conseguirem fugir do labirinto. Antes da fuga, Dédalo avisou Ícaro que não deveria voar muito perto do Sol, pois a cera das asas poderia derreter, nem demasiado perto do mar, pois as penas de gaivota molhando-se ficariam demasiado pesadas para cumprirem o seu objetivo. Ícaro não ouviu o seu pai e quis voar cada vez mais alto, queimando então as suas asas ao aproximar-se demasiado do astro-rei. Caiu no mar Egeu, enquanto Dédalo voou, chorando todo o caminho a morte do seu filho, até à Sicília, onde foi acolhido na casa do Rei Cocálo. Dédalo escapou à sua prisão, mas não evitou que o seu filho, que sonhou alto demais, desaparecesse para sempre.


Desvendando o mito

 

As asas são um dos pormenores a que se dá mais importância neste mito. Mesmo só muitos séculos mais tarde foi possível à humanidade voar pelos céus, entende-se que estas asas nada mais representam do que a imaginação humana que, ao tentar obter o que lhe parece impossível, acaba sempre por criar novos e ousados objetivos, mesmo que demasiado arriscados. A cautela de Dédalo com o seu filho, avisando-o do perigo do Sol, representa a aprendizagem que o homem adquire com a idade e com a experiência, muitas vezes arrependendo-se dos seus próprios erros. Ícaro não quis saber, a sua destemida vontade de se aventurar, tão característica da juventude, fê-lo voar mais alto, tão alto que a queda foi enorme. Torna-se então claro o que está por detrás desta história: os humanos devem sempre pensar nas consequências reais dos seus atos. 

Personalidade do mês - Alexandra Lencastre - Passado, presente e futuro!

Alexandra Lencastre - Passado, presente e futuro!


 

Alexandra Lencastre é considerada uma das mais belas atrizes portuguesas. Dona de um talento confirmado, trocou o Curso de Filosofia pelo de Teatro, e desde o início da sua carreira, que começou ainda muito jovem, tem vindo a amadurecer como mulher e como atriz. Hoje em dia, tem sido protagonista de diversas telenovelas e filmes, sendo um dos maiores nomes do panorama artístico nacional da atualidade. Nasceu em setembro, sob o signo de Balança. Fez grande sucesso, recentemente, como jurada do programa de entretenimento, A Tua Cara Não Me É Estranha, e em outubro começa a gravar a nova novela de António Barreira, Reflexos. Conheça o passado, o presente e o futuro desta diva da produção nacional.

 

 

 

O seu passado

 

O nome de Alexandra Lencastre dispensa apresentações, sendo já considerada uma das grandes referências da representação nacional. Nasceu sob o signo de Balança, no dia 26 de setembro de 1965. Evidenciou sempre classe, elegância e bom gosto que caracteriza as mulheres que nascem sob esta influência planetária. É considerada uma das mais belas atrizes portuguesas, e construiu a sua carreira com solidez e perseverança. O sentido de justiça e a retidão de valores são dois dos seus princípios de conduta. As pessoas nativas deste signo têm uma visão objetiva das situações e evitam julgar os outros, procurando compreender sempre os diversos pontos de vista e lidando com todas as situações com diplomacia. Alexandra Lencastre sempre se mostrou uma mulher romântica e apaixonada, que encontrou nas filhas o grande pilar para lhe dar forças em todos os momentos. Afetuosa e atenciosa, gosta de cuidar dos outros e é por norma uma boa conselheira, razão pela qual os amigos a procuram frequentemente para lhe pedirem opinião. Alexandra sempre procurou relacionar-se com todos os que a rodeiam com simpatia e recetividade, é uma pessoa conciliadora por natureza e tem uma abordagem gentil perante os outros. Para ela a honestidade e a dedicação são compromissos de honra, e envolve-se no seu trabalho com a mesma intensidade com que faz tudo o resto. O ambiente que a rodeia é fundamental para ela, e tem uma grande aptidão para a diplomacia e um apurado sentido de justiça.

 

Abandonou o curso de filosofia para ingressar na Escola Superior de Teatro e Cinema e a partir daí a sua vida foi sempre dedicada à representação. Ganhou fama em Portugal através da televisão e foi a série infantil Rua Sésamo que a tirou do anonimato. Esteve casada com o ator Vírgilio Castelo, mas foi com o produtor holandês Piet-Hein Bakker que viveu um grande amor e com quem teve as suas duas únicas filhas, Margarida e Catarina, hoje com 16 e 14 anos respetivamente. Em 2007 o Biography Channel dedicou-lhe um documentário biográfico, uma honra que não é para qualquer artista.

 

 


O seu presente

 

Uma vez conquistada a sua confiança, Alexandra Lencastre, revela-se uma pessoa mais intensa do que se poderia imaginar à primeira vista. Leva as suas emoções muito a sério e é extremamente leal aos seus amigos.

 

Embora seja uma mulher que preza a discrição e a elegância, é muito responsável e envolve-se verdadeiramente no seu trabalho. O ambiente que a rodeia é fundamental para o seu desempenho, e por isso esforça-se por criar harmonia à sua volta, resolvendo ela própria situações mais complicadas e conflitos que possam surgir, pois tem uma grande aptidão para a diplomacia e um apurado sentido de justiça.

 

Tem uma maneira de ser naturalmente encantadora e, sendo uma mulher bonita e sensual, cativa facilmente a admiração das outras pessoas. Gosta de ser apreciada e admirada, mas precisa que esse reconhecimento tenha não só a ver com a sua beleza física como sobretudo com a sua natural simpatia e dedicação aos outros. Procura agradar àqueles que ama, fazendo-lhes surpresas e oferecendo presentes, pois para ser feliz precisa de sentir que faz bem às pessoas que para si são mais especiais.

 

Hoje em dia, tem sido protagonista de diversas telenovelas da TVI e filmes, e a sua participação como jurada do programa A Tua Cara Não Me É Estranha causou algum furor, pois ela revelou ainda mais o seu lado sensual. Últimas notícias dão como certo o seu envolvimento com um fã, que conheceu na festa da TVI no espaço de diversão noturna algarvio, Meo Spot, em Portimão, no Algarve.

 

 


O seu futuro

 

As pessoas que nascem sob a influência do signo Balança possuem uma grande versatilidade e capacidade de fazer face às situações com que se deparam. A sua presença é carismática e magnânima.

 

A pessoa com quem Alexandra Lencastre se envolveu recentemente poderá proporcionar-lhe um relacionamento amoroso suficientemente estável e seguro, pois ele oferecer-lhe-á a base de apoio de que precisa para fazer face às exigências com que se depara noutros domínios.  

 

A nível de saúde o organismo da atriz poderá estar mais vulnerável, aumentando o risco de infeções e doenças virais. Deverá, por isso  fortalecer o seu sistema imunitário através de uma alimentação mais saudável e poupar o seu corpo a esforços excessivos.

 

A passagem do Sol por Balança, em oposição ao seu signo, dificultará a tomada de decisões da atriz, nos próximos tempos, fazendo com que seja mais difícil colocar em prática as suas ideias. Sentirá que as circunstâncias são contrárias à sua vontade, e a lentidão no desenvolvimento dos projetos poderá ser um teste à sua paciência e capacidade para lidar com as contrariedades. Alexandra Lencastre terá que respirar fundo, pois dias melhores virão.

 

 

 

 

 


Crendices populares: a realidade por detrás da superstição!

Embora não exista uma explicação científica para desmistificar as superstições que se foram criando ao longo de muitos e muitos anos, algumas destas crendices, criadas pelo povo e pelos costumes, e que foi passando de geração em geração, são explicadas por muitos racionalmente. Descubra os segredos por detrás das 11 superstições mais famosas de sempre e tente não limitar a sua vida, só porque acredita piamente nestas “sortes” ou “azares”!


Partir um espelho

A superstição de que os seus próximos sete anos serão de azar se partir um espelho está bastante enraizada na cultura popular. Esta história tem origem na antiguidade e várias versões. A primeira revela que os romanos, que foram os pioneiros na criação de espelhos de vidro, acreditavam que se este se partisse tinha o poder de confiscar a alma da pessoa que ficaria para preso dentro dele, durante sete anos. Na Grécia Antiga, utiliza-se um método divinatório popular que consistia em usar uma tigela de vidro com água para refletir a imagem da pessoa que queria saber mais sobre o seu futuro. Se durante a consulta a tigela se partisse era sinal de que a pessoa morreria ou teria dias difíceis nos próximos tempos. A esta versão, os romanos acrescentaram que os “próximos tempos” gregos se traduziriam exatamente em sete anos. Para juntar ainda mais superstição a este objeto, a história foi alimentada durante a Idade Média. Este objetos eram muito caros, e portanto os patrões avisavam os seus empregados que se partissem o espelho iriam ter muito azar. Um estímulo psicológico para evitar, nada mais nada menos, do que uma perda material.


Derrubar sal

Foi durante o Império Romano que nasceu esta superstição. O sal era uma espécie de ouro – era a única forma de conservarem os alimentos - para este povo, portanto dizia-se que dava azar derrubá-lo de forma a que se tentasse desperdiçá-lo ao máximo. Curiosamente, neste tempo, os saldados eram pagos com sal e daí a origem da palavra salário (salarium em latim). Hoje em dia, quando se derruba sal, de forma a cortar o azar, joga-se um pouco do mesmo por cima do ombro. A lenda diz que o diabo está sempre de pé atrás de nós, e dessa forma, atirando o sal para as nossas costas, conseguimos acertar-lhe nos olhos e cegá-lo.


Guarda-chuva aberto dentro de casa

A superstição diz que abrir um guarda-chuva dentro de casa dá azar. A explicação para esta crendice vem da época da Grécia Antiga, em que os guarda-chuvas eram usados como proteção contra o Sol. Ao se abrir então um chapéu dentro de uma habitação estava a insultar-se o deus do Sol. Outra versão, explica que esta superstição nasceu porque este objeto protegia das tempestades da vida e que ao abrir-se dentro de quatro paredes, insultava os espíritos guardiões, levando-os a deixar a casa desprotegida.


Dizer “Deus te abençoe” depois de um espirro

Esta superstição nasceu com o Papa Gregório Magno, que durante a peste bubónica dizia a frase “Deus te abençoe” para alguém que soltasse um espirro, e que possivelmente estaria afetado pela doença. Diz a lenda, que esta bênção evitava que a enfermidade se espalhasse e também que a alma escapasse do corpo durante o espirro.


Pata de coelho

No século VII, o coelho era considerado um talismã, pois os chineses consideravam-no um símbolo de prosperidade. Acredita-se que quem tem uma pata de coelho beneficia da sorte do animal. Há ainda culturas que creem que o coelho ajuda a promover a reprodução e ajuda à fertilidade.


Bater na madeira

Dar algumas pancadinhas na madeira para afastar o azar é uma superstição muito antiga. Acredita-se que a expressão nasceu com os índios americanos que tinham hábito de dar alguns toques nas árvores, quando pensavam estar a aproximar-se algum mal, pois segundo estes povos era nesse local que habitavam os deuses, e dessa forma chamavam a sua atenção para os acudir.


Cruzar os dedos

Embora não hajam muitas teorias que provem a origem desta superstição, uma delas explica que na época em que o cristianismo era ilegal, cruzar os dedos era uma forma secreta dos cristãos se reconhecerem uns aos outros. Uma outra, mais antiga, refere que cruzar os dedos era uma forma de afastar as bruxas e os espíritos malignos da nossa vida.


Encontrar uma ferradura

Os cavalos eram considerados animais sagrados, durante a Grécia Antiga. Portanto, se se encontra uma deve ser pendurada atrás da porta de casa e com as pontas para cima. Se for pendurada com as pontas para acredita-se que a sorte seja derramada.


Trevo de quatro folhas

Ainda no primeiro milénio a.C., os druidas usavam o trevo de quatro folhas como talismã, pois acreditavam que quem possuísse uma dessas plantinhas conseguiria ver os demónios no meio da floresta e também escapar deles. O poder atribuído ao trevo de quatro folhas vem possivelmente da sua raridade em ser descoberto.


Orelhas quentes

Esta crendice é já muito antiga e diz que quando estão a falar mal de si, as suas orelhas ficam quentes. Segundo a história, a superstição nasceu da ideia, difundida durante o século 1, de que no ar existia uma espécie de “mercúrio universal”, que permitia a transferência de energia entre pessoas. Assim, quando alguém falava mal de outra pessoa, as palavras chegavam sempre aos ouvidos do outro.


Levantar com o pé direito

Os Romanos acreditavam que o lado esquerdo era maldito. Por exemplo, se a trajetória dos pássaros fosse para a esquerda, eles achavam que os próximos dias seriam de mau agouro. Com a difusão do cristianismo, o lado esquerdo continuou a ser mal visto, pois segundo a tradição cristão, os eleitos de Deus permaneciam sempre à Sua direita. Ao longo dos tempos, levantar com o pé direito era sinónimo de boa sorte, enquanto que levantar com o esquerdo significava  que o dia podia não correr muito bem. Claro que atualmente este é um caso típico de autossugestão.

 

Cientologia e os famosos!

1

Criada pelo escritor de ficção científica, L. Ron Hubbard em 1952, a cientologia é um sistema de crenças, hoje dia muito difundido nos Estados Unidos. Esta Igreja baseia os seus fundamentos na psicoterapia e em elementos religioso do hinduísmo, budismo e cristianismo. Os seus seguidores acreditam que a humanidade vai evoluindo até chegar ao estado de iluminação e a imortalidade é uma das suas ideias centrais. O ser espiritual, que é imortal, e percorre várias vidas, é chamado de  “Thetan”. São vários os famosos que têm aderido à cientologia, pelas mais diversas razões. Desvende os segredos desta crença.

 

Oficializada em 1954, a cientologia foi baseada nas obras do seu fundador: Dianética: A Moderna Ciência da Saúde e Dianética: A Evolução da Ciência e Ciência da Sobrevivência. L. Ron Hubbard morreu em 1986 e até lá publicou centenas de livros sobre a cientologia. O seu legado continuou vivo por aqueles que se continuam a manter esta doutrina na boca do mundo. Influenciado por religiões como o hinduísmo e o budismo, este sistema de crenças baseia ainda as suas teorias na psicologia e na psicoterapia. Segundo a cientologia, a criação do planeta Terra surgiu depois de, há 75 milhões de anos, Xenu, um líder malvado que governava a galáxia, ter mandado milhões dos seus habitantes para a Terra, devido a problemas de superpopulação noutros planetas. Eles foram transportados em naves espaciais e depois depositados num vulcão, onde foram eliminados com bombas de hidrogénio. Os espíritos destes seres foram então recapturados e reunidos em cachos, aos quais se chamaram “Thetans”. São estes os seres humanos que hoje dia conhecemos, e que habitam o planeta Terra. O dogma central desta religião é baseado na crença de que uma pessoa é um ser espiritual imortal (o “Thetan”), dotado de uma mente e de um corpo, naturalmente bom e que apenas procura a sua sobrevivência.

 


 

 

A explicação dos males do mundo

Sendo, segundo a cientologia, o homem um ser do bem, porque razão então há quem não consiga deixar de praticar atos nocivos? Esta religião explica que dependendo a sobrevivência do ser humano de si mesmo, dos outros e da sua interação com a comunidade cósmica, existem obviamente situações que não se conseguem controlar, pois todos os homens têm as suas limitações autodidatas, sendo que a prática do mal pelos “Thetans” pode ser atribuída à porção inconsciente da sua mente, que guarda trauma físicos e emocionais de vidas passadas, reativados muitas vezes devido a momentos de stresse. À parte conscientes mente humana dá-se o nome de mente analítica.


A chega ao autoconhecimento

O principal objetivo da cientologia é levar os seus seguidores a um estado de clareza, libertando-o de todos os traumas do passado. Para isso desenvolve-se nesta religião uma atividade conhecida como “audição” ou “auditoria”. O adepto desta religião é ouvido por um conselheiro, que tem como função fazer uma série de perguntas ao seguidor com o objetivo de o capacitar a restabelecer o controlo da sua mente reativa. Este processo é baseado na psicanálise freudiana e os adeptos da cientologia passam por uma análise  rigorosa e científica para atingirem o autoconhecimentos, chegando mesmo a passar pelo polígrafo (detetor de mentiras). Os resultados deste processo ficam registados para que mais tarde o seguidor da cientologia consiga perceber o seu progresso através deste sistema.


Celebridades “cientologistas”

Muitos atores famosos fazem hoje parte da Igreja Cientologista, e foi devido à sua divulgação que esta religião ganhou fama pelo mundo. Tom Cruise terá sido uma das primeiras celebridades a contribuir para isso. O ator decidiu entrar neste sistema no final dos anos 80, quando ainda era casado com a sua primeira mulher, a atriz Mimi Rogers, cujo o seu pai, Phil Spickler, era um dos mais importantes desta instituição. Atualmente, Tom Cruise é o rosto mais conhecido da Cientologia, e há quem afirme que ocupa um lugar de destaque dentro da Igreja, estando quase ao nível do próprio líder, David Miscavige.

As notícias publicadas sobre este assunto referem que Tom Cruise encontrou na Cientologia a “cura” para a sua dislexia.

Sempre foi um dos objetivos desta Igreja recrutar estrelas de Hollywood de forma a dar credibilidade à instituição. São muitas, e pelas mais variadas razões, as celebridades que seguem a cientologia.


John Travolta e Kelly Preston

Este é um dos casais mais poderosos da Igreja Cientologista. John Travolta entrou para a Igreja em 1975, durante as filmagens do filme The Devil’s Rain e diz que foi esta religião que lhe salvou a carreira, dando-lhe as ferramentas necessárias para saber lidar com os problemas da vida e para aprender a lidar com os outros. A sua mulher, Kelly Preston, entrou na instituição depois de casar com o ator, em 1991. Ela considera que depois de se tornar adepta da cientologia todos os seus sonhos se tornaram realidade.


Kristie Alley

Praticante da cientologia, a atriz que ao longo dos últimos anos se tem debatido com o seu problema de peso, afirma que foi através desta religião que salvou a sua vida.


Juliette Lewis

Em 1990, a atriz entrou para a cientologia como uma das suas últimas tentativas para se livrar o abuso das drogas. Juliette conta que foi através desta religião que conseguiu sair do abismo e da apatia em que vivia, chegando mesmo a afirmar que esta instituição permitiu-lhe experimentar a vida de uma forma que ela jamais poderia imaginar.


Lisa Marie Presley

A única filha de Elvis e Priscila Presley entrou para a cientologia incentivada pela sua mãe. A cantora testemunhou que a tecnologia da cientologia lhe salvou a vida e evitou que ficasse louca.

 

O homem lobo… a maldição continua viva!

Embora seja considerada por muitos biólogos e zoólogos como uma pseudociência, a criptozoologia é o estudo de espécies animais lendárias, mitológicas, hipotéticas ou avistadas poucas vezes e por poucas pessoas. Desde que estreou a Saga Twilight, o homem lobo ou lobisomem tem despertado ainda mais a curiosidade dos estudiosos. Saiba onde acaba a realidade e começa o mito…

 

O cinema tem alimentado e muito o fascínio sobre essa figura mítica que é o lobisomem. Mas por que razão este é um mito que tanto nos fascina? Como começou esta história? E na verdade qual é a verdade por detrás do homem  lobo?

O mito do homem que se transforma num animal selvagem é universal e a sua origem perde-se no tempo. Existem algumas teorias de que no mais profundo inconsciente do homem nasceu um grande sentimento de culpa que fez o ser humano criar uma besta que nada mais é do que o reflexo dos seus instintos primários. Ou seja, há quem acredite que antes da era glaciar, o homem era vegetariano, e com as mudanças drásticas provocadas na idade do gelo, ele precisou não só de passar a alimentar-se de outros animais, como também a utilizar as suas pelas para poder sobreviver às condições climatéricas, chegando possivelmente a ter que recorrer ao canibalismo devido à escassez de alimentos. Esta profunda transformação nos seus hábitos deixou um grande trauma nos homens, deixando grandes cicatrizes no seu subconsciente, dando então lugar a esta lenda. O Lobisomem mais não era do que o próprio homem com os seus instintos animais e selvagens mais puros.

 

As primeiras histórias

 

As primeiras fontes oficias sobre o lobisomem foram os textos grecolatinos e Herodoto (484-425 a.C.) foi um dos primeiros a escrever sobre estas transformações sobrenaturais. No quinto livro de história, ele descreveu o território de Escitia (a atua Letónia), como sendo um dos locais onde uma vez por ano um povo que vivia mais isolado se transformava em lobo, durante alguns dias. Também Vigilio (70-19 a.C) nos seus exertos afirmou que em Ponto (na atual Túrquia) existiam alguns homens capazes de se transformar em lobos devido a uma ervas mágicas que cresciam nessa região.

Já as versões gregas sobre esta figura enigmática remete-nos, obviamente, para as explicações onde os deuses intervêm diretamente. Reza a lenda que Zeus transformou o primeiro homem em lobo quando este ousou comprovar a sua sabedoria convidando-o para um banquete onde serviu um prato elaborado com o cadáver de um menino. 

Já Plínio, o Velho (23-79 a.C.), na sua história natural, livro VIII, cita Euanthes, que afirmava que numa certa região um homem que era escolhido devia atravessar a nado um rio ou um pântano, de onde saia transformado em lobo. Durante nove anos permanecia com essa figura, e conseguisse durante esse tempo não comer carne humana, voltaria a recuperar a sua forma humana.

Petrónio (20-66 d.C.) afirmou ter tido um encontro com um soldado que à sua frente se transformou num lobo.

 

As primeiras lendas nórdicas

As fontes nórdicas são também ricas nas histórias que se referem ao homem lobo. São numerosas as sagas que fazem referência a uns ferozes guerreiros vikings, com uma força sobrehumana, que entravam em combate semidespidos, cobertos com peles de animais, gritando, espumando pela boca e mordendo os seus escudos, numa espécie de estado de transe, de tal maneira que não havia quem os conseguisse ferir. Eram uma casta especial de guerreiros consagrados a Odín, o deus supremo capaz de assumir diferentes formas de animais, especialmente a forma do lobo. Eram naturalmente possuídos, segundo a lenda, pelo espírito do animal cujas suas peles eram escolhidas para cobri-los. Estes guerreiros foram citados pela primeira vez en Haraldskvaedi, escrito por Thórbiorn Hornklofi no século IX em honra de Hafrsfjord Fairhair, o primeiro rei da Noruega, onde lutaram ao seu lado na batalha de Hafsfjord. Em muitos poemas e textos islandeses do século XIII também surge, muitas vezes, referência a estes bárbaros que matavam, saqueavam e arrasavam indiscriminadamente. Com a implantação do cristianismo, no século XII, estes guerreiros de Odín perderam a sua aura sagrada e acabaram por ir desaparecendo aos poucos. Não existem muitas dúvidas de que estes guerreiros foram uma das bases da criação do mito do homem lobo, pois, sem dúvida, que aos olhos dos aldeões mais simples, estes selvagens cobertos de pele eram muito semelhantes a um lobisomem.

 

Licantropia e bruxaria

 

Na Europa medieval, os ataques dos lobos aos homens suscitou um profundo terror, tornando um dos maiores predadores da época. Considerado uma besta solitária, cruel e feroz, foi entendido como um aliado e um símbolo do Diabo, pois tal como ele destruía o rebanho de fiéis (representados por cordeiros) para arruinar e destruir as suas almas. Esta presença, próxima e ameaçadora, combinou-se, sem dúvida, com as antigas crenças sobre homens que conseguiam transformar-se em lobos, e dado que este processo implicava a intervenção de algum poder mágico ou sobrenatural, a licantropia (capacidade ou maldição caída sobre um homem que se transforma em lobo)  foi facilmente associada a bruxaria. Os homens lobo eram bruxos que depois de pactuar com o mal recebiam deste uma pele de lobo, um cinturão do mesmo material e um ungento que lhes permitia transformar-se realmente em lobos e espalhar o seu reinado de terror sobre o mundo.

As antigas tradições foram postas, sem dúvida, por Santo Agostinho (354-430 d.C.) em De Spiritu et anima e De civitate Dei, onde afirmou que não se tratavam de transformações reais, mas sim de ilusões diabólicas, e assim sendo quem acreditava que conseguia transformar-se em lobo eram apenas vítimas de uma ilusão: o demónio transmitia aos seus sentidos todas as sensações do lobo, e da mesma forma eram também iludidos aqueles que os viam nessa pele. Estas histórias acabaram por contribuir e muito para a caça às bruxas durante a Idade Média. Henri Boguet no seu Discours des sorciers (1602), afirmou que Satanás confundia os bruxos fazendo-os crer que adotavam a forma de um lobo e que assassinavam homens e animais quando na realidade era o ser maligno que os fazia assumir essa forma. Nicholas Rémy (1595) e outros célebres demonólogos, como Pierre de Lancre, Jean de Nynauld expressaram também a mesma opinião nos seus textos. 

Reportagem - Maria Helena em Veneza

 

Para melhor estudar e perceber as pessoas, a socióloga faz questão de conhecer diferentes culturas.

Recentemente, Maria Helena viajou até Itália, mais propriamente Veneza, para descobrir o que leva as pessoas a se sentirem tão fascinadas por esta cidade. Descubra este mistério através dos passos da taróloga mais conhecida do nosso país.

 

Muito conhecida pela sua história, canais, museus e monumentos, Veneza é uma cidade do nordeste de Itália com mais de 200 mil habitantes. Considerada património  mundial pela Unesco, esta localidade é famosa pelo seu requintado Carnaval, mas também o seu Festival de Cinema e o fabrico de vidro é mundialmente famoso.

 

Em Veneza, que possivelmente deve o seu nome a um povo conhecido como Vênetos, sendo que o significado do seu nome poderá estar ligado à palavra “venetus” que quer dizer “mar azul”. Os seus canais servem de pano de fundo aos passeios românticos. Nesta cidade, nasceram os papas Gregório XII, Eugénio IV, Paulo II, Alexandre VIII, Clemente XIII e Pio X. O padroeiro desta terra é São Marcos.

Na sua viagem por Veneza, Maria Helena Martins fez questão de marcar os pontos-chaves da cidade. Não faltaram fotos nos canais, nas praças principais e nas igrejas mais bonitas.

 

Gémeos: o enigma das suas faculdades paranormais!

São muitas as crenças à volta do desenvolvimento de supostas capacidades telepáticas e extrassensoriais em gémeos verdadeiros. Mas será que são reais? A ciência tem explorado esta situação tentando perceber se os genes podem ser decisivos neste assunto, mas até que ponto dois irmãos gerados na mesma bolsa de líquido amniótico têm traços comuns de personalidade, comportamentos ou atitudes idênticas?

 

Será mesmo verdade que os gémeos partilham uma perceção extrassensorial que não é atingida pelas restantes pessoas? Existe telepatia entre os gémeos verdadeiros? Antes de respondermos a todas estas dúvidas é necessário explicar afinal o que é a perceção extrassensorial (PES). Entendida como uma habilidade mental hipotética baseada na ideia de que os seres humanos podem perceber coisas além do âmbito dos cinco sentidos do corpo, a PES levanta muitas dúvidas e já foi alvo de muitas teorias. Há quem defenda que todas as pessoas possuem este tipo de perceção, mas que nem todos conseguem desenvolvê-la. Mas há também quem acredite que só alguns têm esta capacidade, aqueles a quem chamam paranormais. E por fim, há aqueles que creem que somente os gémeos idênticos são capazes de compartilhar esta habilidade especial.

 

Verdades ou coincidências aleatórias?

Já muitos gémeos foram submetidos a diferentes testes na tentativa de se provar ou não a veracidade dos seus dons paranormais. A comunidade científica é perentória em afirmar que algumas histórias relacionadas com gémeos verdadeiros não passam de coincidências aleatórias e que não existe qualquer indicação real que prove que estes irmãos são mais ligados telepaticamente do que outras pessoas quaisquer.

De todas as experiências realizadas não existe nenhuma que negue a existência dessa ligação entre gémeos, mas também não há qualquer uma que prove que não poderá haver essa mesma ligação entre outro tipo de irmãos, mães, pais, filhos ou cônjuges. Isso poderá então provar que estas ligações não estão propriamente relacionadas com atividades paranormais, mas sim com um tipo de ligação que vai crescendo entre as pessoas à medidas que estas convivem cada vez mais. Na verdade, o que poderia parecer uma conexão psíquica poderá não passar meramente de uma capacidade elevada de observação.
 

O nível inconsciente dos cinco sentidos

Na opinião dos cientistas, os nossos cinco sentidos estão constatemente a observar as informações que recebem exteriormente. Elas são registadas pelo cérebro de uma forma inconsciente, o que quer dizer que se se vive com alguém durante um longo período de tempo é natural armazenar na sua mente inúmeras informações sobre essa pessoa. A maneira como mastiga, se coça o nariz antes de lhe pedir um favor. Assim sendo, no momento em que a pessoa age daquela determinada maneira que você já tão bem conhece, o seu cérebro acaba, obviamente, por antecipar a sua atitude. Porém, existem inúmeros relatos de fenómenos psíquicos ou paranormais entre gémeos que acabam por deixar tudo em aberto. São frutíferas as histórias de um gémeo que tem um ataque de coração e o outro, mesmo longe, tem uma dor no peito à mesma hora. Haverá obviamente margem para dúvidas, já que é impossível prever a hora deste tipo de manifestações, o que impede de documentá-las ou prová-las, mesmo que a fonte seja bastante fidedigna.

 

Casos bizarros sobre gémeos

Os gémeos que morreram no mesmo dia

Na Finlândia, numa cidade a 600k da capital do país, Helsíquia, no ano de 2002, dois irmãos gémeos de apenas sete anos morreram com poucas horas de diferença. Os dois pequenos estavam a andar de bicicleta numa estrada que até não era muito movimentada. O primeiro menino foi atingido por um camião e 1,5 km depois, o seu irmão teria o mesmo fim trágico. Ainda hoje a polícia local diz ter-se arrepiado depois de descobrir que as duas crianças mortas neste acidente eram gémeas idênticas.

 

Os dois gémeos Jim

Nos Estados Unidos, dois irmãos foram separados à nascença e cada um deles foi adotado por uma família diferente, em estados diferentes. As famílias que os acolheram não se conheciam, mas escolheram o mesmo nome para os meninos, Jim. Esta foi a primeira coincidência desta história.

Ambos tinham muito talento para o desenho, para a mecânica e para a carpintaria. Os dois casaram com uma mulher chamada Linda e cada um deles teve um filho que batizaram com nomes muito parecidos, James Alan e James Allan. Os gémeos Jim acabaram por divorciar-se e casaram-se novamente com mulheres com o mesmo nome, Betty. Tinham ambos um cão chamado Toy. Jim Lewis e Jim Springer encontraram-se finalmente no dia 9 de fevereiro de 1979, quando tinham 37 anos.

As capacidade telepáticas de Marta e Silvia

Em finais de maio de 1976, uma família espanhola passou a ser notícia nos jornais do país. O casal Landa tinha duas filhas de quatro anos, gémeas verdadeiras, que pareciam comunicar-se extrasensorialmente. Mesmo quando estavam com uma distância considerável, uma sentia exatamente o que a outra estava a sentir. Uma das histórias mais marcantes sobre estas duas irmãs, Marta e Sílvia, foi quando a primeira se queimou na mão direita, por volta das 17.30h, e a outra, mesmo estando com os avós a cerca de 16km de distância, sentiu nesse momento uma forte dor na mesma mão. E de facto, mais tarde, apareceu-lhe uma mancha avermelhada na mão, de dimensões idênticas e na mesma zona na qual a sua irmã se havia queimado.

 

A morte das gémeas Bobbie e Betty

É também muito conhecida a história das gémeas esquizofrénicas Bobbie Jean e Betty Jo Eller. As duas irmãs desenvolveram a doença com a mesma idade e depois de terem passado por diversas instituições hospitalares foram encontradas misteriosamente mortas no mesmo dia. O mais impressionante é que estavam ambas deitadas na mesma posição fetal, sobre o lado direito, mas em quartos diferentes.

 

Misticismo - Simbologia das cartas dos planetas

Descubra como utilizar o baralho da carta dos planetas para descobrir mais sobre o seu futuro.

 

A consciência de uma ligação profunda que une a vida humana à natureza e, em particular, a devoção celeste acompanham-nos desde milhares de anos. A harmonia imutável do cosmos dá-nos confiança e reforça a nossa convicção que as estrelas nunca se enganam pois elas conhecem o nosso caminho. As forças que governam o céu e influenciam os elementos terrestres são: o Sol, a Lua, Mercúrio, Vénus, Marte, Júpiter, Saturno, Urano, Neptuno e Plutão. Do ponto de vista astrológico, todos estes corpos celestes são considerados planetas. Cada um deles tem um significado específico, tendo em conta os outros planetas e da casa astrológica na qual transita. Este baralho de 40 cartas tem por objetivo principal permitir o acesso de todos à arte divinatória. As cartas dos planetas são divididas da seguinte forma: vinte representam os planetas (10 com significado positivo e 10 com significado negativo), duas cartas representam o tipo de situação (favorável ou desfavorável: A Cabeça e a Cauda do Dragão), duas representam a sorte e o azar, tem doze Casas, isto é, diferentes esferas da vida onde os astros podem exercer influência e quatro cartas que representam os Elementos (Água, Terra, Fogo e Ar).

 

 

A Água

Esta carta simboliza o instinto, a sensibilidade, a emoção e o caráter profundo e mutável.

 

A Terra

A carta da Terra representa a fecundidade, a introversão, a generosidade, a calma e o caráter concreto.

 

 

O Ar

Esta carta é representativa dos laços, das relações, do idealismo, da liberdade, do intelecto e da vivacidade.

 

 

O Fogo

A carta Fogo simboliza a transformação, a exaltação, a vontade, a força, a energia, a paixão e a destruição.


A Cabeça do Dragão

Esta carta significa o domínio, a sorte e o dinheiro. Ela agrupa em si as melhores influências de Vénus e Júpiter e aumenta as potencialidades benéficas das cartas dos planetas que lhe são próximos. Associada a Vénus, significa a possibilidade de amor e o sucesso no domínio artístico, associada a Júpiter adquire o significado de sucesso noutros domínios.

 

 

A Cauda do Dragão

Esta carta recebe as influências mais negativas de Saturno e de Marte, ela enfraquece os efeitos positivos das cartas dos planetas e acentua os aspetos negativos. Associada a Marte Negativa, ela significa disputas graves e risco de ferimentos, enquanto que, quando associada a Saturno, ela indica um abandono. 

 

A Lua Positiva

Esta carta representa a luz do instinto, que aclara as coisas que a razão pode não compreender. A Lua Positiva adquire o significado da sabedoria feminina, a alma que segue docilmente os seus impulsos e se harmoniza com a natureza e o cosmos, conduzindo o homem para onde a razão o impede de chegar. Ela pode indicar também a mãe, a maternidade, o nascimento, a conquista da verdade, a mudança, a água, o mar, a navegação e a infância.

 

 

 Sorte

Esta carta representa a sorte que pode, num instante, mudar o destino duma pessoa. As energias benéficas e construtivas vêm resolver as situações que parecem não ter solução. Esta carta sublinha o facto de que aqueles que são bem sucedidos na vida não se devem glorificar, pois o sucesso obtém-se independentemente do mérito pessoal. No entanto, há que ter em mente que, em certas ocasiões, a iniciativa pessoal e a capacidade de decidir sobre as diversas situações pode favorecer a sorte. O significado desta carta prende-se com as ocasiões propícias, as vantagens e os benefícios inesperados, o sucesso, a sorte e o favorecimento do destino.

  

 

O Azar

Esta carta pretende transmitir a mensagem de que o pessimismo e a falta de confiança no futuro certamente não favorecem a realização pessoal e tornam ainda mais difícil ultrapassar os obstáculos da vida. A carta do Azar convida a procurar no fundo de nós mesmos as razões para as quais o destino nos parece adverso. É uma carta que indica a insatisfação e o estatismo, as perdas imprevistas, as complicações, os problemas, a fraqueza e as surpresas desagradáveis.

 

 

Neptuno Negativo

Neptuno Negativo significa a confusão mental, a ilusão, a alucinação, a vulnerabilidade, um caráter impressionável, a submissão, os complexos de inferioridade, a hesitação, o medo, a imaturidade, a incoerência, a inconsistência, o engano e os mistérios.

 

 

Neptuno Positivo

Esta carta simboliza o caminho, a viagem para o conhecimento, a evolução do espírito. As características desta carta prendem-se com uma extraordinária sensibilidade e sentimentos de amor e comunhão universal. Podemos atribuir a esta carta dons de médium, a magia, o êxtase, a poesia, a imaginação, os sonhos proféticos, a iluminação, o romantismo, a recetividade, o altruísmo, a profundidade e os dons artísticos.

 

 

 

O Sol Positivo

A carta do Sol pode representar o sucesso, a felicidade, a amizade, o amor, a harmonia, a paz, um casamento bem sucedido, a celebridade, a sabedoria, a iluminação, o sentido do belo, o espírito artístico. Esta carta poderá também representar um homem ou mulher capaz de dar apoio e ajuda, um guia espiritual e a presença de uma força superior positiva.

 

Plutão Positivo

Esta carta pode aludir à renovação, reconstrução e melhoramento.

 

Vénus Negativo

Esta carta poderá indicar-lhe uma paixão, uma tentação ou até traição.

 

 

Sol Negativo

Esta carta pode apontar algumas qualidades e acontecimentos menos positivas.

 

Saturno Positivo

Carta que pode anunciar justiça, paciência, até espiritualidade.

 

Saturno Positivo

Ligado à tecnologia, invenção e ao progresso.

 

Mercúrio Negativo

Indica período marcado por alguma instabilidade e agitação.

 

Júpiter Positivo

Carta indicadora da vitalidade, da alegria e da abundância.

 

Marte Negativo

A cólera, a arrogância e a violência.

 

Mercúrio Positivo

Testemunha a inteligência, a diplomacia e as habilidades.

 

Júpiter Negativo

Carta marcada pela tirania, obstáculos e tirania.

 

 

Lua Negativa

Carta que pode apontar para uma transição ou inconstância.

 

Plutão Negativo

Carta que indica uma contradição e hostilidade.

 

Vénus Positivo

Aponta para a harmonia, o amor e a beleza.

 

Saturno Negativo

A tristeza, o sofrimento e a solidão.

 

 

 

Casa I

Esta carta poderá indicar um período de reflexão e de experiência.

  

Casa II

Esta carta poderá indicar-lhe situações vantajosas, especialmente a nível material.

 

Casa III

Contactos imediatos, a educação e o estudo são as características desta Casa.

 

Casa IV

Casa das origens e das tradições.

 

Casa V

Esta carta pode representar a diversão, a criatividade e o jogo.

  

Casa VII

Esta carta pode representar uniões, as associações e os reencontros.

  

Casa IX

Esta carta poderá indicar uma viagem e o contacto com o estrangeiro.

 

Casa VI

Esta carta poderá indicar uma viagem e o contacto com o estrangeiro.

  

Casa VIII

Carta que poderá indicar uma metamorfose, está ligada à espiritualidade.

 

Casa XII

Demonstra inimizades, conflitos e doenças.

 

Casa XI

Amizades e afinidades marcam esta Casa.

 

Casa XII

Casa da carreira profissional e da satisfação pessoal.

 

 


Saiba mais: Ligue 21 318 25 99!


Terapias de Luz (cont.) - Cura através de cristais coloridos

A cor é um elemento com grande importância na nossa vida e esta pode afetar-nos o nosso estado de espírito. As cores são mais evidentes na natureza.

 

Muitos curadores utilizam as cores no processo de cura, dão a ver as diferentes cores ao paciente. Esta atua sobre o corpo emocional.

 

As cores do arco-íris estão ligadas aos sete chakras e para cada tipo de tratamento está ligado a uma determinada cor.

 

As técnicas mais usadas consistem em colocar panos coloridos nas partes afetadas, beber água colorida, visualizar objetos coloridos ou respirar cor. Mas um dos métodos mais eficazes é utilizar um cristal colorido.

 

Associação das cores ao tratamento de certas doenças

 

Vermelho

As doenças a tratar por esta cor são, a anemia, perda de vitalidade e má circulação. O vermelho energiza e vitaliaza o corpo físico por isso mesmo não deve ser utilizado por pessoas muito nervosas ou que se irritem muito facilmente. Por outro lado esta cor também não deve ser usada em excesso, pode provocar frustração, raiva e mesmo estados de violência.

 

Laranja

Esta cor é utilizada para tratar de problemas relacionadas com o baço, os pulmões, o pâncreas e problemas musculares. A cor laranja tem a característica de ser uma cor estimulante que nos transmite a força que precisamos para lidar com o dia a dia. Também é usada em casos de asma, bronquite e com problemas menstruais. O uso excessivo desta pode traduzir uma certa agressividade, pode levar a ter comportamentos pouco solidário para com os outros mas também a complexos de inferioridade ou superioridade.

Os aspetos positivos do uso desta cor são, mais confiança, mais imaginação e iluminação espiritual.

 

Amarelo

De um modo geral esta cor é utilizada para tratar problemas relacionados com o estômago, de intestino, indigestões, diabetes e flatulência.

O amarelo é um ótimo ativador dos nervos motores e por conseguinte ajuda a evitar e tratar depressões. Se for utilizada de uma forma positiva esta pode resultar numa constante alegria e grande organização.

Por outro lado a sua utilização de forma negativa pode resultar numa crítica e cobardia.

 

Verde

Pode ser utilizada para tratar de problemas cardíacos, dores de cabeça, úlceras e tensão arterial. A sua principal característica è equilibrar o nosso estado tanto emocional como físico e trazer a paz e a serenidade que necessitamos. As suas maiores qualidades são a determinação, a eficiência e a atenção aos pormenores. Podemos obter através dele mais entusiasmo, mais esperança e sentido de partilha. Não deve ser utilizado de forma negativa pois trará inveja, ciúme e ganância.

 

Azul

Os problemas que podem ser tratados por esta cor estão relacionados com febres, problemas de garganta, rouquidão e laringites.

É uma cor relaxante e como tal ajuda a obter a tranquilidade e o relaxamento, pode fazer-nos passar do mundo físico para o espiritual. As suas qualidades positivas são a confiança, a compreensão e o perdão, as negativas são a depressão, o medo, a frieza e a indiferença.

 

Índigo

Pode ser utilizada para tratar todos os problemas que estejam relacionados com a cabeça, olhos, nariz e ouvidos, mas também aqueles que estão relacionados com desordens nervosas.

A sua utilização de forma correta pode proporcionar qualidades como a calma e o equilíbrio, pelo contrário se a sua utilização for feita de forma negativa esta pode transmitir-nos um certo orgulho, presunção e intriga.

 

Violeta

Normalmente é utilizada no tratamento de perturbações nervosas e mentais, ajuda a purificar o sangue e é um excelente bloqueador do desenvolvimento de tumores. Trata também de insónias e problemas de visão.

A sua má utilização pode provocar obsessão e martírio, injustiça e intolerância, mas a sua boa utilização revela a misericórdia, a devoção e a lealdade.

 

Aplicações práticas da utilização dos cristais

 

Encontrar objetos perdidos com um cristal

Deverá segurar o cristal com a mão esquerda e pedir com convicção que quer mesmo encontrar um objeto perdido. O cristal vai ampliar a sua sensibilidade e tal como uma luz irá ajudar a encontrar o tal objeto.

 

Evolução pessoal através dos cristais

Existem muitos aspetos na vida da maioria das pessoas que estas gostariam de mudar, os cristais podem ajudá-lo na resolução desses problemas. Irão ajudar a ter mais força de vontade para superar aquilo que mais o transtorna.

Deve pôr o cristal no pescoço ou no bolso e sempre que sentir a necessidade de fazer algo que não seja o melhor para si aperte o cristal e essa vontade vai começar a desaparecer.

 

Os cristais como medicina alternativa

Se utilizar-mos um cristal perto de si irá ajudá-la a alcançar um patamar de conhecimento superior, ou seja um estado de aprazimento. Os cristais estimulam para um estado de excitação por isso mesmo se estiver num estado depressivo este vai ajudar a superá-lo.

Faça o seguinte, pegue o cristal com a mão esquerda e como que estivesse falando com ele programe-o dizendo-lhe que quer recuperar, que vai recuperar.


Os cristais e o êxito nos negócios

A primeira coisa a fazer é colocar ambas as mãos sobre o cristal, de seguida deve pedir aquilo que deseja para melhorar a sua vida financeira.

Aquilo que se vai passar é que o cristal vai aumentar a sua intuição fazendo com que obtenha no seu interior a resposta correta acerca da decisão mais acertada a tomar.

 

O sexo e os cristais

Os cristais ajudam a apagar aqueles pensamentos negativos que já existem há muito tempo relacionados com sexo. Dependendo destas memórias e destes recalcamentos a experiência sexual pode ser muito gratificante.

Uma imagem mental ou um pensamento positivo com base no amor e na procriação irá ajudar para obtenção de sexo saudável.

Poderá utilizar o cristal junto ás ancas que vai proporcionar-lhe mais conhecimento e sabedoria sobre sexo e a sua sexualidade.


Saiba mais: Ligue 21 318 25 99! 

Pág. 1/3