Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Astrologia

Regressão...vidas passadas

regressao.jpg

 

Uma viagem em marcha-atrás

 

E se pudéssemos voltar atrás no tempo? Se pudéssemos viajar, como num filme, e reviver a nossa infância, a adolescência, resgatar memórias de episódios perdidos no tempo? E se fôssemos ainda mais longe, e conseguíssemos reencontrar os registos de vidas que vivemos noutros séculos, noutros lugares, muito antes desta que agora temos? A Regressão, uma terapia que com a abertura e a divulgação crescente de temas que antes eram hermeticamente guardados entre círculos restritos está cada vez mais na moda, oferece a  possibilidade de ir à raiz de medos, bloqueios e comportamentos, permitindo conhecer a causa e, dessa forma, erradicar o problema.

 

De acordo com a teoria da Reencarnação, a alma encarna sucessivas vezes com vista à sua evolução e aprendizagem. No entanto, no decurso de cada uma delas as acções criam efeitos nem sempre fáceis de gerir ou integrar de forma saudável e positiva, criando o Karma. Um trauma vivido com intensidade pode, por exemplo, repercutir-se em vidas seguintes, criando uma fobia inexplicável ou uma atracção misteriosa por determinadas pessoas ou situações. A terapia de Regressão a vidas passadas permite, através da hipnose, aceder a gavetas escondidas na mente, onde se encontram os registos de tudo aquilo que a alma viveu, vida após vida, e que a consciência silencia quando encarnamos.

Tendo por base a ideia que muitas das situações que vivemos são consequências de acções passadas, se formos em marcha-atrás até ao tempo onde essas situações se originarem podemos compreendê-las e, fazendo-o, podemos interiorizar os seus ensinamentos e libertar-nos finalmente delas.

Uma pessoa que tenha fobia a tambores pode, por exemplo, ter tido noutra vida uma experiência traumática a eles associada, como ter visto um membro de família ser executado ao som dos mesmos. Uma pessoa que, estranhamente, se sente atraída por pessoas de etnia cigana pode, noutra vida, ter sigo um cigano, ou ter vivido um relacionamento intenso com  um, sem ter tido a possibilidade de viver em pleno esse amor ou de realizar a totalidade dessa experiência enquanto pessoa desse povo.

A Regressão a vidas passadas é uma terapia que averigua a origem de medos, fobias, comportamentos e situações com vista ao seu tratamento. É feita por um terapeuta especializado, sendo muitas vezes um Psicólogo que se especializou na Hipnoterapia e no estudo de vidas passadas. Este terapeuta começa por estudar a vida da pessoa que faz a consulta, traçando um quadro geral que possa direccionar a Regressão para os aspetos que são mais urgentes e que mais necessitam de ser tratados.

 

E se eu não tiver problemas?

Uma pessoa não precisa de se queixar de um bloqueio ou "problema"para ir a uma  ou mais consultas de Regressão. Ao permitir uma viagem ao passado, ela ajuda-nos a compreender melhor quem somos, quem é a nossa alma, e a conhecer melhor toda a nossa dimensão espiritual. Qualquer pessoa adulta pode fazer uma consulta de Regressão.

 

Como funciona a consulta de Regressão?

Após a análise geral da personalidade da pessoa e das situações mais relevantes da sua vida, o terapeuta procede a uma hipnose, em que o estado de consciência é induzido de forma a que a racionalidade "adormeça" o suficiente para que possam aflorar os conhecimentos que estão escondidos na parte inconsciente do nosso cérebro.

Esta hipnose é sempre feita de forma gradual e com o consentimento prévio do paciente. Numa primeira sessão é normal que o transe não seja muito profundo, variando consoante a consciência do paciente o permita. Embora haja pessoas que têm maior facilidade de "entrega" e relaxamento, deixando-se induzir mais facilmente, a maioria das pessoas tem alguma dificuldade em relaxar por completo numa primeira sessão, mantendo assim um estado ligeiro de transe. À medida que se avança na terapia, com a prática, a mente tem cada vez maior facilidade em aceder a memórias, sentindo com maior intensidade e sendo capaz de identificar formas, lugares, pessoas, cheiros, sons e sabores.

Mesmo que apenas por curiosidade, a Regressão é uma viagem curiosa, feita ao interior de nós mesmos. Durante a Hipnose, o terapeuta induz o paciente a um estado de relaxamento, direccionando-o para situações do passado e pedindo que o paciente lhe relate aquilo que vê enquanto está nesse estado alterado de consciência. O terapeuta pode optar por gravar aquilo que é dito pelo paciente, para que mais tarde possam trabalhar esse registo em conjunto e encontrar as pistas que solucionam as questões que o levaram à consulta. Nunca nada é feito contra o paciente, nem sem o seu consentimento, pois a mente é prodigiosa, e o nosso consciente, ainda que um tanto adormecido, jamais revela aquilo que não quer revelar, ou que o paciente ainda não está preparado para saber.

Com um tempo de duração limitado previamente pelo terapeuta, consoante o grau de profundidade da sessão de Regressão, o paciente é, finalmente, induzido a regressar gradualmente ao estado de consciência, sendo que o terapeuta o induz a recordar tudo aquilo que reviveu, viu ou sentiu durante o transe, ao acordar. Assim, quando finalmente o paciente regressa ao estado normal de consciência, consegue recordar tudo aquilo que experienciou e, ao discuti-lo e analisá-lo com o terapeuta, consegue compreender muitas situações que vive hoje em dia e que têm sido recorrentes na sua vida.

 

A Regressão pode curar?

A Regressão a vidas passadas é especialmente útil e benéfica para ultrapassar perdas afectivas, físicas ou não, pois permite compreender o porquê de elas terem acontecido. Permite, também, compreender a origem de vícios, libertando-se deles, assim como de fobias, medos inexplicáveis e obsessões. É terapêutica no tratamento de sintomas físicos sem causa aparente, ajudando a ultrapassar situações traumáticas e a vencer distúrbios de comportamento, alimentares ou outros, assim como padrões emocionais destrutivos e relacionamentos nocivos.

Muitas vezes a viagem leva-nos a lugares diferentes daqueles onde supúnhamos ir, porque a nossa mente direcciona-nos sempre para aquilo que é mais premente resolver, aquilo que neste momento da nossa vida mais precisa de atenção.

 

E não será fruto da minha imaginação?

Os mais cépticos têm dificuldade em aceitar que aquilo que uma pessoa revive durante uma Regressão possa ter um fundo de verdade. A experiência da Regressão é tão única e individual como a mente de cada um. Mesmo que fosse um produto da imaginação, porque razão a sua mente criaria aquela imagem em particular, e não outra? De onde nasceu esse registo? A mente recorda aquilo que já viu ou viveu, e qualquer imagem que surja nela foi anteriormente lá posta… assim, a origem das memórias a que acedemos numa Regressão será sempre tão misteriosa como a complexa teia de fios que compõe a mente humana. Atreve-se a fazer essa viagem ao mais profundo de si?

 

Envie-me um e-mail em branco e receba uma surpresa! Clique aqui!

 

Mais informações para:

Telefone: (00351) 21 092 9000

E-mail: mariahelena@mariahelena.pt

Site: http://www.mariahelena.pt/

Facebook: www.facebook.com/MariaHelenaMartinsMHM

 

logo dra.png

Libertar fardos do passado com a hipnose

A hipnose provoca um estado alterado de consciência. Sob hipnose, o indivíduo consegue concentrar-se de forma intensa num pensamento, numa memória, numa sensação, numa vivência. A hipnose na regressão a vidas passadas pode ajudar a ultrapassar bloqueios ou problemas e a libertar fardos.

hipnose.jpg

A regressão com a ajuda da hipnose pretende localizar e eliminar as causas de fobias, traumas, psicoses, neuroses, hábitos, vícios, dificuldades emocionais, entre outras.

Utiliza-se a hipnose para ajudar as pessoas a perceberem as causas dos seus problemas e dessa forma ajudar a ultrapassar e a vencer um bloqueio ou problema.

Com a regressão pretende-se alcançar um equilíbrio. A pessoa fica com maior capacidade para gerir e lidar com as dificuldades da sua vida. Este tipo de terapia visa sempre a libertação do problema ou ajuda a lidar melhor com ele. Na regressão pode-se ficar na vida presente ou eventualmente ir até vidas passadas. No entanto, e apesar de algumas pessoas verem as regressões como uma possibilidade para irem a vidas passadas e dessa forma encontrarem respostas para a sua curiosidade ou para os seus problemas, nem sempre isso é possível.

Um bom terapeuta vai querer resolver o problema da pessoa, e nem sempre é necessário recorrer à regressão de vidas passadas.

 

TERAPIA DE REGRESSÃO

A terapia da regressão baseia-se num princípio de que a maioria dos problemas psicológicos e psicossomáticos tem as suas causas no passado. Descobrir, reviver e compreender essas causas pode produzir um melhor conhecimento para libertar a pessoa de alguns traumas, ou problemas.

Muitos problemas do passado são causados por experiências traumáticas que podem ter sido esquecidas pela pessoa, mas que ficam no seu inconsciente. As experiências passadas que não foram compreendidas e assimiladas ficam reprimidas no inconsciente e podem ser reactivadas, a qualquer momento, por experiências semelhantes que as reavivam.

A hipnose facilita a recordação, permitindo aceder muito mais facilmente aos conteúdos do nosso inconsciente onde se guardam todas as nossas experiências, quer sejam de um passado recente ou remoto. Mas existem vidas passadas? A regressão a vidas passadas não é uma prova de que existam, nem de que não existam. E para a hipnoterapia, essa pergunta é irrelevante. Se o paciente acredita que existe, então isso é bom. E se ele acredita que não existe, isso também é bom. Para que a regressão funcione basta que haja aceitação de todo o processo. As respostas aos nossos problemas estão dentro de nós mesmos. Só é preciso permitir-lhes o acesso. O mais importante para que a regressão funcione é estar aberto, para as respostas surjam na mente, deixando a parte racional, os julgamentos e o cepticismo de lado.

Podemos dizer que a hipnose nada mais é do que uma forma de comunicação, que provoca mudanças e transformações, levando o indivíduo à prática do pensar sobre si mesmo e por si mesmo.

O que é certo, é que cada sessão resulta numa sensação de paz, tranquilidade e bem-estar, que se pode prolongar por dias, semanas, meses e até anos e pode ajudar o paciente a dar rumo à sua vida.

 

SOBRE A HIPNOSE

A pessoa perde a consciência durante a sessão?

Não, permanece consciente e alerta. O estado de transe é um estado normal e ocorre várias vezes ao dia com vários tipos de estímulos, como por exemplo: sons repetitivos, etc.

 

O hipnotizador pode dominar a mente?

Não. A consciência mais profunda da mente protege a pessoa de tudo aquilo que ela não deseja fazer. A mente da pessoa hipnotizada só vai aceitar ordens pré-estabelecidas por ela mesma e combinadas com o hipnoterapeuta durante a sessão.

 

Quem pode ser hipnotizado?

Qualquer pessoa pode ser hipnotizada. As pessoas que querem transformar os seus problemas são mais fáceis de serem hipnotizadas. O transe induzido encontra resistência apenas numa parcela pequena de pessoas.

 

A pessoa pode não voltar do transe?

Não. É pouco comum demorar a voltar ao seu estado natural de vigília, mas quando isto acontece, existem várias formas suaves para que haja este retorno.

 

A hipnose faz mal à saúde?

Não. Não existe nenhum risco quando a hipnose é aplicada corretamente por um profissional experiente e devidamente informado. É comum a pessoa sentir sensações de euforia, sono, vontade de relaxar, depois de uma sessão.

 

O que se sente na hipnose?

Pode vivenciar sensações, não sentir partes do corpo, sentir o corpo mais pesado, formigueiro, calor, frio etc. Pode viver memórias de factos do passado recente ou remoto. A regressão, pode ser espontânea ou ser sugerida pelo hipnoterapeuta. São memórias, pensamentos, sensações, e imagens do passado.

 

Os objectivos desta técnica são:

  • Trazer à superfície da consciência as experiências do passado
  • Encontrar as soluções que permitam superar as dificuldades do presente, o equilíbrio
  • Abrir e alargar as percepções psíquicas
  • Desenvolver as capacidades físicas e mentais
  • Aliviar as dores e sofrimentos físicos
  • Activar ou acalmar as defesas naturais do organismo
  • Tratar patologias como depressões, fobias, sintomas de pânico, ansiedade, obesidade, anorexia, bulimia, insónias, maus hábitos (roer as unhas, chuchar no dedo, tiques, alcoolismo, tabagismo,…), disfunções sexuais, dificuldades de aprendizagem, etc.

 

ORIGEM DA HIPNOSE

Desde a mais remota antiguidade o homo sapiens viveu e usou a hipnose, quer consciente ou inconsciente. No antigo Egito, os sacerdotes induziam o estado hipnótico com objetivos de cura de diversos males e afecções, aliviando dores e recuperando a saúde dos seus pacientes. É conhecido que os antigos mágicos, faquires, curandeiros, todos praticavam várias formas de hipnotismo.

A era moderna da hipnoterapia começa com Franz Anton Mesmer, médico austríaco, com o seu “magnetismo animal”, realizando vários tratamentos com anestesia hipnótica. Depois, John Elliotson, médico assistente no St. Thomas Hospital, fez pesquisas com o então conhecido mesmerismo.

Seguiu-se então James Esdaille, que trabalhou na Índia, tendo apoio governamental, realizando cerca de 300 operações de grande vulto sob hipnose.

Aparece então James Braid, um cirurgião Inglês, nascido 1795, que estudou a hipnose em 1841. Através das suas pesquisas, a hipnose ganhou o foro de ciências, sendo então denominada de hipnotismo ou hipnose, ao invés de mesmerismo, facilitando o começo da sua aceitação pela profissão médica.

Charcot, França, rotulou a hipnose como um estado patológico de dissociação, relacionando a hipnose ao processo histérico e à anormalidades no sistema nervoso. Freud interessou-se pela hipnose, estudando o seu efeito na cura dos seus pacientes. A desinformação da época e o mau emprego da hipnose fizeram-no abandonar a hipnose como ferramenta de trabalho.

Pavlov, médico russo, aproximou-se da hipnose no seu estudo sobre a neurofisiologia, comprovando os seus efeitos nos sistemas de excitação e inibição do sistema nervoso humano. Nas duas grandes guerras mundiais, aprova oficialmente a hipnose como ferramenta terapêutica; em 1958 o mesmo acontece nos USA, pela Associação Médica Americana. Milton Hyland Erickson, médico psiquiatra e psicólogo norte-americano, estudou a ciência da hipnose, modernizando-a, revelando-a como uma manifestação normal da mente humana, mostrando a sua existência e os efeitos na vida quotidiana.

 

Veja grátis: Horóscopo diário !

 

maria helena.jpg

 

Envie-me um e-mail em branco e receba uma surpresa!

Clique aqui!