Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Consultório de Astrologia

O mistério das encruzilhadas - O Ponto da comunhão

Este é o local onde dois caminhos se encontram e quatro partem. As encruzilhadas são especialmente escolhidas para a prática de magias desde os tempos imemoriais. É um lugar de interseção por excelência, onde os poderes vindos de quatro direções diferentes se unem. Descubra o segredo que se esconde por detrás do ponto onde se cruzam vários caminhos.

 

Desde a antiguidade que as encruzilhadas são associadas a locais de rituais de bruxaria e espíritos. As lendas e os mitos relacionados com feitiços nunca deixam estes lugares no anonimato. De acordo com a história é nas encruzilhadas que os bruxos se concentram para tomar as suas decisões, já que é considerado um local de oportunidades e mudanças.

Afirmam os especialistas sobre estes assuntos que é nas encruzilhadas que se praticam as mais poderosas magias. Estes lugares estão mencionados nas sagradas escrituras. No livro de Ezequiel, por exemplo, dá-se realce a estes locais: “Tu porém confiaste demais na tua beleza(…) mas para cúmulo de todas as tuas maldades (…) construíste lugar de pecado nas encruzilhadas.” (Ezequiel 16, 1.25).

 

Origens perdidas

Desde os tempos da Grécia e da Roma antiga que nas encruzilhadas se colocavam estátuas de Hecate, a deusa da magia, da noite, das bruxas, e dos infernos. Perde-se na história, a origem da utilização destes lugares para realizar rituais, mas sempre se considerou que ali estavam concentrados todos os poderes vindos de quatro direções visíveis e das quatro direções invisíveis entre estas. Aqui se acredita que esses poderes se encontram e se unem, formando dessa maneira um ponto de comunhão.

Era perante a estátua de Hecate, que representava uma mulher com três faces (a virgem, a mãe e a senhora) que se cruzavam numa só, que os gregos e os romanos invocavam os espíritos através de rituais mágicos. Esta deusa representava o domínio sobre o submundo infernal, a terra e o mar. Na terra, Hecate vagueava nas noites de Lua Cheia e Lua Nova e no mar, a deusa mantinha os seus relacionamentos luxuriosos. A bruxaria era então praticada na presença desta poderosa imagem, sempre numa encruzilhada, principalmente pelo seu significado oculto e espiritual. Muitos acreditavam que era neste lugar que as almas penadas se concentravam para encontrar o seu caminho quando estavam demasiado confusos. Acreditava-se que estes espíritos estavam baralhados quando chegavam ao mundo espiritual e ali recorriam para encontrar a sua direção. Alguns apenas pretendiam indicações para salvar a sua alma, enquanto outros ainda procuravam o caminho que os levasse de volta à sua casa terrena. Ali permaneciam indecisos, na encruzilhada, pensando que direção deveriam tomar para que rapidamente chegassem ao destino que mais desejavam.

Nos tempos mais remotos, acreditava-se então que Hecate surgia nas encruzilhadas com a finalidade de recolher as almas confusas e baralhadas que deviam entrar no mundo dos mortos. Foi assim que para sempre, estes locais foram escolhidos para a realização de feitiços, magias e rituais, pois mais facilmente - pelo facto de vários espíritos do além se concentrarem nesses lugares – se chegaria até eles. Poderiam então estas almas penadas serem convocadas para algum ritual sagrado. A crença esotérica de que as encruzilhadas são locais preferenciais para a celebração de bruxarias enraizou-se e ainda hoje esta prática é utilizada em várias correntes.