Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Consultório de Astrologia

A história do folar - uma tradição portuguesa

 

Embora haja uma grande variedade de bolos folares, todos eles associados à Páscoa, o mais popular é feito de uma massa seca e doce, com um suave travo a canela e ervas aromáticas, que se destaca por ter por cima um ou mais ovos cozidos e por se apresentar muito luzidio. As madrinhas oferecem, no Domingo de Páscoa, um folar aos afilhados. Saiba que este bolo está ligado, na sua origem, à amizade, à reconciliação. Conheça a história!

A palavra "folar" deriva do Latim "floralis" e é um dos símbolos mais marcantes da Páscoa portuguesa.

Conta-se que existia numa aldeia uma rapariga pobre chamada Mariana, cujo maior desejo era casar cedo. Tanto ela o desejava, que rezava fervorosamente a Santa Catarina para pedir esse milagre, com uma oração que dizia assim:

Minha roquinha esfiada,
Meu fusinho por encher,
Minha sogra enterrada,
Meu marido por nascer.
Minha Santa Catarina,
Com devoção e carinho
Tomai-vos minha madrinha,
Arranjai-me um maridinho.

(1)

A jovem rezou com tanta fé e devoção, que lhe apareceram dois prentendentes: um fidalgo rico e um lavrador pobre, chamado Amaro. Como ambos eram muito belos, e como se completavam, pois um trazia-lhe a segurança, a estabilidade, e o outro, a força da juventude e a garra da labuta, a jovem voltou a rezar, pedindo orientação Divina para fazer a escolha certa.

O lavrador pobre, então, bateu-lhe à porta e pediu-lhe uma resposta até ao Domingo de Ramos. Pouco depois apareceu o fidalgo, também com urgência numa resposta. A jovem não conseguia tomar uma decisão, o Domingo de Ramos chegou. Uma vizinha acorreu à casa de Mariana, dizendo-lhe que estavam ambos a travar uma luta de morte, em disputa pelo seu amor. A rapariga saiu então a correr em direção ao local onde eles se encontravam e, lá chegando, saiu-lhe da boca o nome "Amaro", o pobre lavrador.

A luta terminou, mas a rapariga andava angustiada porque lhe diziam que o fidalgo iria aparecer no dia do casamento, para matar o rival que o derrotara.

Uma vez mais a jovem apelou a Santa Catarina para que a santa a ajudasse a resolver este dilema. Pôs flores no altar da santa, pedindo-lhe que o fidalgo a perdoasse e que lhe desse uma prova desse perdão. Reza a lenda que Santa Catarina lhe sorriu... Certo é que, ao chegar a casa, Mariana encontrou em cima da mesa um bolo luzidio com ovos cozidos em cima, rodeado pelas mesmas flores que ela oferecera no seu altar.

Dirigiu-se então ao noivo, pensando ser um presente dele, e qual não foi o seu espanto quando soube que Amaro tinha recebido o mesmo bolo. Foram juntos a casa do fidalgo, pois julgaram que só ele, sendo tão rico, lhes poderia fazer tal oferenda. Quando o encontraram, porém, também ele vinha risonho ao seu encontro, para agradecer o bolo e as flores que recebera, e que tomara como um presente de Amaro. Assim, ficaram todos em paz pois compreenderam que o pedido de Mariana fora atendido, e que o desejo de Deus era que estivessem todos em união.

Desde então, o folar é oferecido na Páscoa, como símbolo da vontade de Deus e da mensagem de Jesus:

"Amai-vos uns aos outros como eu vos amei."