Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Astrologia

A história do Templo do Senhor do Bonfim

 (e-mail recebido via blogue)

 

 

“A história da devoção ao Senhor do Bonfim começou em 1742, quando o português Theodozio Rodrigues de Faria, um capitão de navios, partiu de Salvador a Lisboa, Portugal. Durante a viagem, o navio quase afundou em uma tempestade  e ele rogou  ao Senhor do Bonfim sua salvação, ‘em troca, ele  prometeu construir uma igreja’. O barco completou a viagem e, na volta para Salvador, o português  trouxe na bagagem uma imagem de Jesus na cruz. 

Em 1745, no alto do morro hoje chamado Colina Sagrada, a Igreja do Bonfim começou a ser construída. Alguns anos depois, quando já estava quase pronta, os devotos levaram a imagem para lá, em uma procissão.

 

“A Igreja do Senhor do Bonfim, templo mais visitado em toda a Cidade de Salvador, foi inaugurada em 24 de junho de 1754, e até hoje, ao longo de tantas transformações estruturais e arquitetônicas, por assim dizer, jamais perdeu seu valor histórico e original, um verdadeiro monumento cultural e de fé.”

 

“A fita original foi criada em 1809, tendo desaparecido no início da década de 1950. Conhecida como medida do Bonfim, o seu nome devia-se ao fato de que media exatos 47 centímetros de comprimento, a medida do braço direito da estátua de Jesus Cristo, Senhor do Bonfim, postada no altar-mor da igreja mais famosa da Bahia.

Não se sabe quando a transição para a atual fita, de pulso, ocorreu, sendo fato que em meados da década de 1960 a nova fita já era comercializada nas ruas de Salvador, quando foi adotada pelos hippies baianos como parte de sua indumentária.” 

 

Hino do Senhor do Bonfim

 

 

O Hino do Senhor do Bonfim (música de João Antonio Wanderley  e letra de Arthur Sales) foi divulgado nacionalmente a partir de sua inclusão no disco Tropicália, considerado um dos manifestos da estética do Movimento Tropicalista do final dos anos 1960. Com arranjo e regência de Rogério Duprat, o hino é interpretado por Caetano Veloso, Gilberto Gil, Gal Costa e Os Mutantes, fechando o disco de forma apoteótica.

 

 

HINO POPULAR

 

Glória a ti neste dia de Glória
Glória a ti, redentor que há cem anos
Nossos pais conduziste à vitória
Pelos mares e campos baianos.

 

Desta sagrada colina
Mansão da misericórdia
Dá-nos a graça divina
Da justiça e da concórdia

 

Glória a ti nessa altura sagrada
És o eterno fanal, és o guia
És Senhor, sentinela avançada
És a guarda imortal da Bahia.

 

Aos teus pés que nos deste o direito
Aos teus pés que nos deste a verdade
Canta e exulta num fervido preito
A alma em festa da tua cidade.

 

Alma heróica e viril deste povo

Nas  procelas sombrias da  dor

Como a pomba que voa de novo

Sempre abriste o teu seio de amor. 

 

 

 

 

 

(excertos de um texto de Raquel de Ávila e Rita Almeida)